Ops! Parece que você
não está cadastrado ainda.

Para assistir aos vídeos do Assista MultiRio, é necessário que você se cadastre. Não se preocupe: o cadastro é rápido e gratuito. Caso você já tenha um cadastro, faça seu login clicando na opção "login" no menu superior.

Clique aqui para fazer seu cadastro

assistindo agora...

Spectaculu

Na escola Fábrica de Espetáculos, jovens entre 17 e 21 anos, de diferentes municípios do Rio de Janeiro, participam de aulas e oficinas de cenografia, iluminação, confecção de adereços e outras atividades ligadas à produção de shows, peças de teatro, etc. O curso completo, com duração de dois anos, é gratuito.

Arte
Cidadania
Cultura
Educação de Jovens e Adultos
RAP da Saúde
A Rede de Adolescentes Promotores (RAP) da Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde, completa dez anos promovendo a prevenção e a manutenção do bem-estar dos adolescentes cariocas. Atua em escolas, clínicas e postos de saúde, onde, por meio de vídeos e dramatizações, os jovens participantes do programa abordam os temas drogas e álcool, DST/Aids, gravidez precoce, violência de gênero e bullying.
Mundo Novo
O Instituto Educacional e Cultural Mundo Novo, em Mesquita, na Baixada Fluminense, começou como um projeto familiar. Hoje, após mais de dez anos em atividade, trabalha em parceria com instituições como o Senac e o Sesi, oferecendo alfabetização para crianças e cursos e oficinas profissionalizantes para jovens e adultos.
Flautistas da Marambaia
O projeto Flautistas da Pro Arte, da escola de música Pro Arte, em Laranjeiras, se expandiu até a E.M. Vieira Fazenda/10ª CRE. Há mais de dez anos, os alunos, batizados de Flautistas da Marambaia, mergulham na cultura brasileira e descobrem talentos e habilidades musicais.
Apostando no Futuro – Cesgranrio
O projeto Apostando no Futuro, da Fundação Cesgranrio, beneficia moradores de quatro comunidades do Rio Comprido por meio de reforço escolar, capacitação profissional, práticas esportivas e atividades culturais. Crianças, jovens e adultos podem participar do projeto, que atende cerca de 500 pessoas.
Formação cidadã
Alunos e ex-alunos do colégio Cruzeiro realizam trabalho voluntário no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, além de darem aulas de reforço escolar para alunos de escolas públicas.
Ações socioeducativas – Degase
Oficinas de lego e robótica foram os recursos utilizados pela professora Sandra Caldas em atividades extraclasse no Colégio Estadual Silvia Paim, com jovens internas no Departamento Geral de Ações Socioeducativas do Estado do Rio de Janeiro (Degase), que ganharam, inclusive, um prêmio internacional com o projeto “cadeira sambista”. O trabalho com o brinquedo, além de divertir, amplia o conhecimento e ajuda no resgate da autoestima.
Teatro científico
Ao promover a leitura de textos teatrais nas aulas de Física, Márcio Medina, do Colégio QI, conquistou a adesão de professores de outras disciplinas para a iniciativa. Com isso, além de melhorar o desempenho escolar da turma, motivou o interesse pelo teatro. Seus alunos montaram o Núcleo de Teatro Científico/Nutec, que desde 2007 se apresenta em salas cariocas e já conquistou prêmios em festivais.
Rachaduras sociais
Professor de História nas redes municipal e estadual, Marcelo Alves Teixeira criou o projeto Rachaduras Sociais para discutir a cidadania a partir da Constituição de 1988. O trabalho se expandiu para um portal colaborativo, alimentado pelos próprios alunos. 
Ficha Técnica

Indicação: escola e sociedade Formato: documentário Redação: Patrícia Costa Repórteres: Flávia Lobo (Flautistas da Marambaia) e Laís Orsolon Direção: Antonio Gonzalez

Coletivamente
2018
Cidadania
Comportamento
Sociedade
Solidariedade
Projetos que estimulam a cidadania e promovem transformações sociais, desenvolvidos por escolas e instituições da sociedade civil.
Episódios
RAP da Saúde
A Rede de Adolescentes Promotores (RAP) da Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde, completa dez anos promovendo a prevenção e a manutenção do bem-estar dos adolescentes cariocas. Atua em escolas, clínicas e postos de saúde, onde, por meio de vídeos e dramatizações, os jovens participantes do programa abordam os temas drogas e álcool, DST/Aids, gravidez precoce, violência de gênero e bullying.
Mundo Novo
O Instituto Educacional e Cultural Mundo Novo, em Mesquita, na Baixada Fluminense, começou como um projeto familiar. Hoje, após mais de dez anos em atividade, trabalha em parceria com instituições como o Senac e o Sesi, oferecendo alfabetização para crianças e cursos e oficinas profissionalizantes para jovens e adultos.
Spectaculu
Na escola Fábrica de Espetáculos, jovens entre 17 e 21 anos, de diferentes municípios do Rio de Janeiro, participam de aulas e oficinas de cenografia, iluminação, confecção de adereços e outras atividades ligadas à produção de shows, peças de teatro, etc. O curso completo, com duração de dois anos, é gratuito.
Flautistas da Marambaia
O projeto Flautistas da Pro Arte, da escola de música Pro Arte, em Laranjeiras, se expandiu até a E.M. Vieira Fazenda/10ª CRE. Há mais de dez anos, os alunos, batizados de Flautistas da Marambaia, mergulham na cultura brasileira e descobrem talentos e habilidades musicais.
Apostando no Futuro – Cesgranrio
O projeto Apostando no Futuro, da Fundação Cesgranrio, beneficia moradores de quatro comunidades do Rio Comprido por meio de reforço escolar, capacitação profissional, práticas esportivas e atividades culturais. Crianças, jovens e adultos podem participar do projeto, que atende cerca de 500 pessoas.
Formação cidadã
Alunos e ex-alunos do colégio Cruzeiro realizam trabalho voluntário no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, além de darem aulas de reforço escolar para alunos de escolas públicas.
Ações socioeducativas – Degase
Oficinas de lego e robótica foram os recursos utilizados pela professora Sandra Caldas em atividades extraclasse no Colégio Estadual Silvia Paim, com jovens internas no Departamento Geral de Ações Socioeducativas do Estado do Rio de Janeiro (Degase), que ganharam, inclusive, um prêmio internacional com o projeto “cadeira sambista”. O trabalho com o brinquedo, além de divertir, amplia o conhecimento e ajuda no resgate da autoestima.
Teatro científico
Ao promover a leitura de textos teatrais nas aulas de Física, Márcio Medina, do Colégio QI, conquistou a adesão de professores de outras disciplinas para a iniciativa. Com isso, além de melhorar o desempenho escolar da turma, motivou o interesse pelo teatro. Seus alunos montaram o Núcleo de Teatro Científico/Nutec, que desde 2007 se apresenta em salas cariocas e já conquistou prêmios em festivais.
Rachaduras sociais
Professor de História nas redes municipal e estadual, Marcelo Alves Teixeira criou o projeto Rachaduras Sociais para discutir a cidadania a partir da Constituição de 1988. O trabalho se expandiu para um portal colaborativo, alimentado pelos próprios alunos.