22 Fevereiro 2018
0
0
0
s2sdefault
 
supervisores naza 350
Problemas sociais, familiares, médicos e psicológicos atingem alunos e sala de aula. Foto Alberto Jacob Filho, 2017, MultiRio

A Secretaria Municipal de Educação (SME) quer saber por que algumas escolas da Rede – cerca de 50 –, mesmo em condições adversas, têm sempre ótimo desempenho nas provas Rio e Brasil, enquanto outras, muitas vezes vivendo o mesmo contexto, apresentam resultados insatisfatórios. Para tentar responder a essas e várias outras indagações não menos importantes, a SME criou um quadro de 240 supervisores pedagógicos e administrativos que vão apoiar as equipes gestoras das 1.537 unidades escolares do município.

“Cada supervisor acompanhará de 12 a 16 escolas e isso nos ajudará a detectar as principais questões que elas enfrentam, para que possamos prestar cada vez mais apoio aos diretores naquilo que eles realmente necessitam”, explica Maria Nazareth Vasconcellos, subsecretária de Ensino. Um dos maiores desafios, segundo ela, é o de ajudar as equipes gestoras a encontrar soluções e encaminhamentos adequados aos inúmeros problemas – sociais, familiares, médicos e psicológicos – que afetam boa parte dos alunos e que se refletem no ambiente escolar.

“A Rede atende crianças com medidas socioeducativas, em situação de acolhimento institucional (vivendo em abrigos), que sofrem violência doméstica, que são estupradas dentro de casa, que faltam sempre às aulas... Os diretores se veem diante de desafios que não são apenas pedagógicos e administrativos. E, para resolvê-los, sempre estiveram muito sozinhos”, analisa Nazareth. Por isso, a expectativa é que os supervisores ajudem a administração central da SME a conhecer melhor os problemas das unidades de ensino. “Queremos estar mais próximos das escolas, dar-lhes mais apoio”, esclarece.

Virada do jogo e sociedade

Isso não significa que os 240 novos supervisores colocarão as questões pedagógicas e administrativas em segundo plano. No treinamento deles, realizado no início de fevereiro pela Escola de Formação do Professor Carioca Paulo Freire, ficou claro que o foco deve ser a melhoria da aprendizagem dos alunos. E um dos mais urgentes desafios que têm pela frente é contribuir para a redução do alto índice de reprovação no 3º ano, série em que os alunos, de acordo com as diretrizes curriculares, já deveriam estar plenamente alfabetizados.

supervisores naza pais
Pais de alunos em atividade de arrecadação de fundos para evento na E.M. Rosa do Povo. SME quer fortalecer ainda mais a participação da comunidade escolar. Foto Alberto Jacob Filho, 2017, MultiRio

Do ponto de vista administrativo, os supervisores têm a incumbência de fortalecer o Conselho Escola-Comunidade e a gestão democrática, com participação ativa dos professores, funcionários, alunos e responsáveis. Maria Helena Costa, coordenadora de Supervisão de Gestão Administrativa da SME, ainda informou que a Secretaria está desenvolvendo um aplicativo, um sistema de check list, que abrange todos os aspectos logísticos envolvidos no gerenciamento de uma unidade escolar. Como os supervisores vão alimentá-lo com dados, a expectativa é que isso também aumente a margem de acerto das decisões tomadas pela equipe da administração central.

As escolas que já tiveram péssimo rendimento acadêmico e, hoje, despontam entre as melhores da Rede, dão à SME a convicção de que é possível a muitas outras unidades percorrerem o mesmo caminho. “Estamos, inclusive, estudando uma forma de promover trocas de experiências entre os diretores. Mas, ainda que consigamos bons resultados com todas as providências que estamos tomando, a Educação não vai resolver sozinha todos os problemas que surgem na escola. A sociedade também precisa rever seus conceitos”, afirma a subsecretária de Ensino.

Relacionados
Mais Recentes