10 Abril 2019
0
0
0
s2sdefault
 
Imagem: Divulgação/ Subem

Quando se fala em educação ambiental, por muitas vezes se esquece de que os animais estão inseridos nesse contexto. A geógrafa e especialista em Educação Ambiental Elizabeth MacGregor parte desse ponto para reforçar a importância de a escola colocar em prática um conteúdo que é obrigatório, mas, segundo ela, ainda pouco discutido com os estudantes. 

Em sua apresentação no I Fórum de Políticas Públicas, Bem-Estar e Direito dos Animais do Município do Rio de Janeiro, organizado pela Subsecretaria de Bem Estar Animal – Subem e realizado em 26 de março, no Museu do Amanhã, MacGregor enfatizou que os animais não são seres irracionais, como se considerava no passado.

“Quem não aprendeu, na escola, que os animais são seres irracionais? Hoje, isso não está mais nos livros, porém, a escola não fala mais nada. A ciência diz que os animais são sencientes, mas ela está longe do público em geral. Os animais têm capacidade cognitiva, sentem prazer, alegria...”, explicou Elizabeth, que é Diretora de Educação da ONG Fórum Animal de Proteção e Defesa Animal.

MacGregor definiu bem-estar animal, segundo Donald Broom, como sendo “o estado físico e psicológico de um animal em suas tentativas de se adaptar a seu meio ambiente”, e defendeu que os professores se capacitem para tratar dessas questões e façam com que violência e crueldade virem compaixão e respeito pelos animais.

Para Elizabeth, não basta que o meio ambiente seja lembrado nos projetos político-pedagógicos apenas em datas comemorativas, como o Dia da Árvore. Ela também critica a abordagem transversal dos conteúdos de Educação Ambiental, alegando que “quando é responsabilidade de todos, acaba sendo de ninguém”.

“Precisamos ter uma visão holística de meio ambiente. Nas escolas, quando se fala em animal, pensa-se nos silvestres, e, dificilmente, nos que estão no meio urbano e rural. Certamente, há diferença nas abordagens de cada unidade, mas onde há um gestor mais consciente, trabalha-se melhor com essa questão”, aponta.

Subem destaca a importância da educação para a causa animal

Segundo o Subsecretário de Bem Estar Animal, Roberto da Conceição de Paula, apesar de não haver uma cultura muito favorável aos animais, felizmente esse quadro está mudando por meio da conscientização, principalmente, nas escolas.

“Hoje a Subsecretaria de Bem Estar Animal tem uma parceria com a Secretaria Municipal de Educação. Em 2019, participamos da Caravana Carioca de Férias, que visitou quase 7 mil crianças e jovens com eventos e dinâmicas. Levamos adestradores de cães para as crianças terem esse contato e aprenderem a cuidar do seu bichinho”, disse o subsecretário, lembrando a série de atividades oferecidas a crianças e jovens em janeiro deste ano, em uma parceria entre diversos órgãos da Prefeitura do Rio de Janeiro e o Sesc Rio. 

Roberto da Conceição de Paula, Subsecretário de Bem Estar Animal (Foto: Divulgação/ Subem)

“Esse é um trabalho de ‘formiguinha’. Sabemos que a Rede Pública Municipal de Ensino do Rio de Janeiro é muito grande, assim como o município, e precisamos alcançar essas pessoas. Acredito que é só através da educação que vamos mudar esse quadro em nossa cidade”, afirmou, ressaltando a importância da escola como parceira na conscientização da causa da proteção animal. 

De acordo com Roberto de Paula, o trabalho que está sendo desenvolvido busca atingir, primeiro, os coordenadores das Coordenadorias Regionais de Educação (CRE), depois, os diretores de unidades escolares, até chegar aos professores, pais de estudantes e às crianças e aos jovens, que são especialmente o público ao qual se quer alcançar.

“Segundo dados do IBGE, já são milhões o número de animais domésticos nos lares e isso gera preocupação em relação ao abandono. Se não houver um trabalho de educação ambiental com as crianças, isso pode tornar-se um colapso, além da questão das zoonoses. É preciso também evitar a venda de animais e estimular a adoção”.

Sobre o fórum

O 1º Fórum de Políticas Públicas, Bem-Estar e Direito dos Animais reuniu especialistas, representantes de órgãos públicos e entidades, estudantes e interessados na causa animal. O evento foi organizado pela Subsecretaria de Bem Estar Animal, vinculada à Casa Civil da Prefeitura do Rio de Janeiro, e discutiu diversos temas relacionados à causa dos animais.

“Esse fórum é um meio para discutirmos políticas públicas sobre os direitos e o bem-estar dos animais. Os animais são seres sencientes, sentem dor, frio, calor, fome, assim como os seres humanos, e precisam ter os direitos respeitados através de leis”, disse o subsecretário, lembrando que o evento foi criado como um fórum de ideias, no qual especialistas no assunto da proteção animal, de diversas áreas, e os participantes pudessem debater para o avanço de ações nesse âmbito.

A relação entre o bem-estar animal e a legislação ambiental, a proteção aos animais, a saúde pública e controle de zoonoses – enfermidades naturalmente transmissíveis entre os animais e o homem – foram outros pontos em debate no fórum. A reflexão e a discussão sobre a causa animal, oferecendo um espaço de educação continuada destinada não apenas aos públicos relacionados, mas a toda a população, foram objetivos do Fórum.

Mídias Relacionadas
Relacionados
Mais Recentes