10 Julho 2020
0
0
0
s2sdefault
 
A Redes da Maré, uma instituição da sociedade civil, está levando mantimentos e diversos outros serviços à 13 mil famílias de 16 favelas (foto: redesdamare.org.br)

Movimentos populares de favelas das Zonas Oeste, Norte e Sul da cidade do Rio de Janeiro estão em ação contra o novo coronavírus. Pesquisadores da Fiocruz dizem que esse protagonismo popular é fundamental no enfrentamento da crise sanitária, mas salientam, no entanto, que os esforços não tiram do Estado a responsabilidade de comparecer com políticas públicas.

A própria Fundação Oswaldo Cruz promoveu um encontro on-line com lideranças populares para juntos pensarem caminhos possíveis em tempos de pandemia. "A Fiocruz traz as informações científicas disponíveis, mas é em parceria que podemos encontrar soluções para os problemas cotidianos", disse Nísia Trindade Lima, presidente da instituição.

No encontro virtual, os especialistas da Fiocruz, Rivaldo Venâncio, coordenador de Vigilância em Saúde, e André Siqueira, infectologista, responderam ao vivo questões enviadas por chat. Participaram comunidades como os Complexos do Alemão e da Maré, o morro da Formiga e até mesmo o morro da Caixa D’água, em Niterói. Rivaldo e André responderam dúvidas dos mais diversos tipos. Esclareceram que o novo coronavírus não é transmitido por secreções do ato sexual, mas que a proximidade da relação pode contaminar o parceiro. Em relação às questões ligadas à higiene, eles disseram também que é importante tomar banho ao chegar em casa e que se deve limpar as embalagens de compras com algum desinfetante antes de guardar. Frutas e hortaliças devem ser limpas com água e hipoclorito (em geral, presente na água sanitária). Também houve perguntas sobre a proteção de voluntários na doação de mantimentos. Nesses casos, é preciso desenvolver a ação sem aglomerações, usando máscaras e higienizando as mãos sempre que necessário. Máscaras caseiras feitas com "perfex" não funcionam porque o material é muito poroso, deixando passar o novo coronavírus.

O Dicionário de Favelas Marielle Franco reúne iniciativas populares de combate ao novo coronavírus em favelas de todo o Brasil. O objetivo é fortalecer o enfrentamento ao vírus nesses locais. O Dicionário é uma plataforma virtual de acesso público para a produção e veiculação de conhecimentos sobre favelas e periferias. Abaixo, o Portal MultiRio destaca alguns coletivos comunitários e suas ações catalogados na plataforma.  

O Dicionário de Favelas Marielle Franco é uma plataforma virtual sobre favelas e periferias de todo o Brasil, apoiada pela Fiocruz (Divulgação)

Zona Oeste

Na Cidade de Deus, a Frente CDD contra a Covid-19 agrega líderes comunitários e organizações locais. O coletivo arrecadou e distribuiu itens de limpeza, higiene pessoal, alimentação e água. Os voluntários relatam que há questões onde a participação do Estado seria fundamental, como na região conhecida como Brejo, que não conta com água encanada.

O Gabinete de Crise da Vila Kennedy colocou um carro de som rodando com informações sobre o combate ao novo coronavírus e afixou faixas de alerta em pontos estratégicos da região.

Zona Norte

A campanha realizada pela organização civil Redes da Maré já levou cestas de alimentos e kits de higiene pessoal e de limpeza a 13 mil famílias das 16 favelas que integram o complexo. A Prefeitura do Rio de Janeiro colaborou com essa ação por meio do projeto Territórios Sociais, que está destinando cestas básicas a famílias mais vulneráveis que possuem pelo menos um integrante no grupo de risco da covid-19.

Desde que começou a emergência sanitária no Rio de Janeiro,  a Redes da Maré já serviu 21 mil refeições para população em situação de rua; produziu 125 mil máscaras e conseguiu recolocar 129 pessoas em postos de trabalho.

Zona Sul

Nas favelas Babilônia e Santa Marta, a sanitização das vielas foi feita por iniciativa e viabilização da própria comunidade. O movimento Rocinha Resiste tem conseguido levar mantimentos e kits de limpeza para moradores mais vulneráveis da comunidade, além de promover cursos informativos sobre a pandemia.

Defensoria Pública

A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro disponibilizou canais de atendimento às populações das periferias, procurando apoiá-las em questões de saúde e trabalhistas, entre outras, como demonstra o cartaz de divulgação dos grupos de trabalho da instituição.

Cartaz Defensoria Pública

 

MultiRio

A MultiRio possui uma série chamada Rio Contra o Corona, que agrega diversos materiais em formatos de vídeos, games e reportagens, com o objetivo de contribuir com a luta contra a epidemia. O Festival MultiRioFilme, por exemplo, compartilha e valoriza produções da comunidade escolar. A segunda edição do Festival foi realizada totalmente on-line devido à pandemia e teve como tema norteador “O Rio contra o corona”. Houve três categorias: Alunos do 1º ao 5º ano, Alunos do 6º ao 9º ano e Professores e outros profissionais da Educação. Especialistas do audiovisual escolheram os três vídeos finalistas de cada categoria. A partir daí, foi aberta votação popular para indicar o favorito dos votantes, promovendo desse modo a mobilização e reflexão sobre a temática. Assista aos vídeos finalistas do Festival MultiRioFilme - Rio Contra o Corona, as obras vencedoras na votação popular e os vídeos da mostra não-competitiva da Educação Infantil.

Mídias Relacionadas
Relacionados
Mais Recentes