14 Outubro 2011
0
0
0
s2sdefault
 

Educao_a_DistnciaA percepção do avanço da educação com mediação de tecnologias de informação e comunicação (TIC) foi o que levou Eloiza da Silva Gomes de Oliveira a trabalhar com educação a distância (EAD). Diretora do Campus Virtual da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (e-Uerj), a professora observou que essa modalidade seria fundamental para complementar a educação presencial no Brasil.

A experiência de Eloiza nessa modalidade de ensino teve início em 1998, quando da criação do Consórcio Cederj, formado entre as universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Porém, sua trajetória na vida acadêmica começa atuando na graduação e na pós-graduação (especialização) na própria Uerj.

Material didático – Sobre o material didático usado pelos professores, Eloiza destaca que tudo depende do formato do curso, do planejamento e do conteúdo ministrado.

– Se o curso é oferecido totalmente a distância (e-learning), ele será exclusivamente veiculado em ambientes virtuais de aprendizagem (LMS), através da web. Podem ser usadas outras variedades de material, como CDs, DVDs ou material impresso, entre outros – explica a professora. 

Já a respeito da necessidade da aula presencial para o aprendizado, a diretora do Campus Virtual da Uerj destaca que isso depende basicamente do grau de autonomia e da maturidade do aluno para aprender a distância. 

– Em cursos de graduação, por exemplo, acho que a modalidade semipresencial (que conjuga aulas presenciais e a distância) é a mais adequada – frisa Eloiza.

Virtudes – Para ela, são muitas as virtudes encontradas na EAD, além da mobilidade de tempo.

– Vou destacar três: o respeito ao ritmo e ao estilo cognitivo dos alunos; a adequação a países com grande extensão territorial e diversidade cultural como o Brasil; e a flexibilidade para ajustes no processo educativo – enumera Eloiza. 

Segunda a professora, ainda há um longo caminho no sentido da disseminação da modalidade no Brasil:

– Para aperfeiçoarmos a EAD, eu apontaria a diminuição do preconceito contra a educação a distância; a geração de cada vez mais e melhores políticas públicas na área; o barateamento dos recursos tecnológicos necessários; e a formação de recursos humanos, incluindo professores, para atuar nessa modalidade educativa.

Quem é – Doutora em educação, Eloiza da Silva Gomes de Oliveira foi professora do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana da Uerj, além de coordenar o curso de Pedagogia a Distância, de 1999 a 2008. Ainda é autora de material didático e professora-tutora da Fundação Getulio Vargas On-line e do Inteligência Educacional e Sistema de Ensino (Iesde Brasil).

Relacionados
Mais Recentes