Da série
Bairros Cariocas
08 Abril 2014
0
0
0
s2sdefault
 

igreja camorimVerdadeiro oásis no Rio de Janeiro, tanto em relação ao verde quanto à segurança, Camorim está localizado entre a Barra da Tijuca, Jacarepaguá, Vargem Pequena e Vargem Grande. Habitado parcialmente por descendentes de quilombolas e com baixa densidade demográfica, o bairro é recordista em crescimento populacional na cidade. Saltou de 786 habitantes no ano de 2000 para 1.970 em 2010, segundo o mais recente censo do IBGE, com um aumento de 150%.

Nas últimas décadas, toda a Baixada de Jacarepaguá vem sendo alvo da exploração imobiliária, em especial após a valorização da área, em razão dos Jogos de 2016 – o Parque Olímpico está sendo construído onde existia o Autódromo de Jacarepaguá. Em Camorim, encontramos sítios, chácaras, residências de classe média e o maior centro de convenções da América Latina – o Riocentro, inaugurado em 1977.

No bairro, situado na área do Parque Estadual da Pedra Branca (PEPB), fica a comunidade do Alto Camorim, uma das três remanescentes de quilombos no Rio, junto com a Pedra do Sal, no bairro da Saúde, e o Sacopã, próximo à Lagoa Rodrigo de Freitas. Distribuído por cerca de 200 casas, o grupo sobrevive da agricultura familiar e serve de exemplo como integração harmônica com a natureza.

Camorim é um nome derivado da palavra tupi camury, que significa “mata com muitos mosquitos”. Ao longo do século XVII, a região foi objeto de disputa entre a família Sá e a Ordem Beneditina. Em 1597, a coroa portuguesa confirmou a doação de terras entre a restinga da Tijuca e Guaratiba, realizada três anos antes por Salvador Correia de Sá a seus dois filhos, Gonçalo e Martim de Sá.

Gonçalo ficou com a sesmaria à esquerda da Lagoa de Camorim, onde construiu o Engenho do Camorim. Na área então denominada Pirapitingui, que em tupi significa “peixe de escamas brancas”, e atualmente corresponde ao bairro do Camorim, Gonçalo mandou construir, em 1625, uma capela em homenagem a São Gonçalo do Amarante. Na época, essa era uma fórmula eficiente de conseguir prestígio junto à comunidade.

Martim de Sá ficou com a propriedade situada à direita da Lagoa do Camorim e encomendou a construção de uma capela dedicada à Nossa Senhora da Cabeça no Engenho D’Água, na localidade hoje conhecida como Gardênia Azul, que era sua principal propriedade. Seu neto, Martim Correia de Sá e Benevides Velasco, iniciou a dinastia dos viscondes de Asseca, cujos descendentes tentaram, em vão, anular o testamento que havia concedido a propriedade das terras aos religiosos.

No Rio desde 1589, os beneditinos se instalaram na zona oeste da cidade em 1670. Ali, montaram uma estrutura de grande prosperidade, com fazendas dedicadas à criação de gado, cultivo de cana-de-açúcar e de mandioca, onde havia até mesmo o beneficiamento da farinha. Ao longo do século XIX, passaram a arrendar parte de suas terras, que foram definitivamente colocadas à venda em 1891.

A partir da década de 1930, aumentou o número de transações comerciais de terrenos em Camorim, até então propriedade do Banco de Crédito Móvel. De 1936 em diante, a Empresa Saneadora Territorial Agrícola, de Francis Walter Hime, cuidou do loteamento e urbanização da região. Pertencente à XXIV Região Administrativa (Barra da Tijuca), Camorim é um dos bairros mais equilibrados em relação aos gêneros, já que o total de mulheres supera o de homens em apenas 0,15%. A denominação, delimitação e codificação do bairro foram estabelecidas pelo Decreto nº 3.158, de 23 de julho de 1981, com alterações do Decreto nº 5.280, de 23 de agosto de 1985.

Mídias Relacionadas
Bairros Cariocas
Mais da Série
Relacionados
Mais Recentes