ACESSIBILIDADE
Acessibilidade: Aumentar Fonte
Acessibilidade: Tamanho Padrão de Fonte
Acessibilidade: Diminuir Fonte
Youtube
Facebook
Instagram
Twitter

Oswald de Andrade e o redescobrimento do Brasil
20 Outubro 2014 | Por Márcia Pimentel
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Whatsapp

Oswald-boneco2Em 22 de ourubro de 1954 morreu um escritor que ocupa um lugar todo especial na literatura brasileira: Oswald de Andrade, um dos maiores expoentes da Semana de Arte Moderna de 1922 que também dá nome ao Ciep Oswald de Andrade, no Parque Anchieta (6ª CRE). Suas propostas culturais e literárias – resumidas nos manifestos Pau-Brasil e Antropofágico – apontavam para uma radical ruptura com a “poesia bibelô” dos academicistas. Os novos cânones apresentados por ele contribuíram para o processo de modernização da cultura do país e impactaram não apenas a lírica de sua geração, mas também a de várias outras. Os concretistas dos anos 1950, os tropicalistas dos 1960 e os poetas marginais da década de 1970 são exemplos de como o legado oswaldiano influenciou a produção cultural por décadas.

Filho de uma família abastada, José Oswald de Souza Andrade nasceu em São Paulo, em 11 de janeiro de 1890, quando a República ainda nem sequer tinha completado dois meses de idade. A vocação literária sempre contou com o apoio de dona Inês – sua mãe, irmã do poeta Inglês de Souza –, e foi com sua ajuda que fundou, em 1911, o semanário de crítica e humor O Pirralho, onde publicou seus primeiros trabalhos. Em fevereiro do ano seguinte, interrompeu os estudos na Faculdade de Direito para fazer uma viagem à Europa. Em Paris, manteve contato com a boemia estudantil e o movimento futurista, que propunha inovação artística e adequação aos novos tempos. Retornou ao país antes do previsto, em setembro, em razão da morte da mãe.

O futurismo e o rumo tomado pelas artes europeias não seriam os únicos fatores a influenciar as ideias do escritor. Tornava-se cada vez mais urgente ao Brasil daquele tempo fazer rupturas com o passado colonial, aristocrático e oligárquico, para incorporar os novos segmentos sociais que emergiam na República. O Manifesto da Poesia Pau-Brasil, de 1924, reveste-se, assim, de grande importância histórica, ao defender a simplicidade formal e a originalidade nativa (de exportação), em contraposição à erudição reprodutiva das elites (de importação).

O projeto oswaldiano, na verdade, era um convite ao abandono do estado contemplativo, dos versos simétricos, das fórmulas cheias de regras, dos preconceitos das elites contra o país e o povo. Era um estímulo à simplicidade poética, ao neologismo, à valorização da cultura nacional e à construção de novos sentidos que enaltecessem os “fatos estéticos” da terra: os casebres da favela, o carnaval, o vatapá... Para Oswald, a arte precisava descobrir o que nunca havia sido construído anteriormente, tal como ele expõe em sua poesia 3 de Maio, publicada em 1925, no livro Pau-Brasil:

"Aprendi com meu filho de dez anos
Que a poesia é a descoberta
Das coisas que eu nunca vi”

OSWALD-PAU-BRASIL

Apesar dessa ânsia pelo novo, Oswald não negava o passado. Ele propunha uma redescoberta do Brasil: a instauração de um novo ponto de vista que revelasse e desvendasse o processo de colonização, com o objetivo de ressignificar o presente para projetar perspectivas para o futuro. A construção dessa relação entre tradição e ruptura, de acordo com Juliana Santini, professora de Literatura da USP, se entrelaçou, por um bom período, com a obra de Tarsila do Amaral, com quem ele era casado na época (ela foi sua segunda esposa; com a primeira, a francesa Kamiá, que conheceu em Paris, ele teve um filho).

O relaciomento entre Tarsila – que ilustrou a primeira edição de Pau-Brasil – e Oswald resultou em um projeto estético coeso: “Literatura e pintura encontraram, na confluência de traços, o mesmo espírito de um tempo em que o olhar da modernidade tingiu-se com as cores do primitivo, do arcaico, do nacional (...) Do verbal ao pictórico, uma única realidade estética se desenhou na interseção entre a poesia de Oswald de Andrade e a pintura de Tarsila do Amaral”, explica Santini em um artigo publicado pela Ícone, revista eletrônica de Letras da Universidade Estadual de Goiás. Dessa união artístico-amorosa também resultou o Manifesto Antropofágico (1928), que propunha a devoração do outro, para que ele fosse incorporado aos valores do antropófago com um novo sentido. Ou seja, acatava-se a tradição e a absorção da cultura estrangeira, mas jamais para reproduzi-las, e sim para dar a elas uma interpretação totalmente diferente, transformando-as a partir dos valores contemporâneos e nacionais.

Como a maioria dos artistas daquele tempo, Oswald se filiou ao Partido Comunista Brasileiro, em 1931. Esse seu posicionamento político pode ser observado no prefácio de Serafim Ponte Grande (1933), no livro A Escada Vermelha (1934), nas peças teatrais O Homem e o Cavalo (1934), A Morta e O Rei da Vela (ambas de 1937) e nos romances Marco Zero, a Revolução Melancólica (1943) e Chão (1945, data em que ele rompe com o PCB). Nesse período de militância, teve três novos casamentos e mais um filho, Rudá, fruto de sua união com Patrícia Galvão, a Pagu, de quem se separou em 1936. Nesse mesmo ano, uniu-se à poetisa Julieta Bárbara e, por fim, em 1944, casou-se OSWALD-TROPICALIAcom Maria Antonieta D’Aikmin, com quem viveu até a morte, no ano de 1954.

Para o crítico literário Sábato Magaldi, a linguagem oswaldiana, durante o período de adesão ao PCB, não foi ofuscada pela ideologia. Segundo ele, as peças teatrais que Oswald escreveu, naquela época, tinham um caráter exacerbadamente vanguardista – quebravam a ilusão de realidade em torno da representação para criar um canal de comunicação mais direto com o público – e, por isso, sequer foram encenadas enquanto ele estava vivo. Isso só aconteceu na década de 1960, quando o espírito de contestação política levou o grupo do Teatro Oficina a montar O Rei da Vela. Mas, para os estudiosos, a mais evidente expressão do ressurgimento de Oswald ocorre com o tropicalismo, com sua irreverência, iconoclastia e característica antropofágica, que deglutia tudo o que havia de novo na pop music internacional para transformá-la em novas ideias nacionais.

 
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Whatsapp
MAIS DA SÉRIE
texto
Tarsila do Amaral, defensora da arte com o olhar brasileiro

Tarsila do Amaral, defensora da arte com o olhar brasileiro

17/01/2022

Patrona da E.M. Tarsila do Amaral (5ª CRE), conheça a trajetória de uma das maiores representantes da pintura no Brasil.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Artur Azevedo e seu papel na criação da ABL e do Theatro Municipal

Artur Azevedo e seu papel na criação da ABL e do Theatro Municipal

21/09/2021

O jornalista fez intensa campanha, que resultou na lei de criação do imponente teatro da Cinelândia.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Vital Brazil descobriu como neutralizar o veneno de cobras brasileiras e doou patente para o Estado

Vital Brazil descobriu como neutralizar o veneno de cobras brasileiras e doou patente para o Estado

11/05/2021

Cientista trabalhou para se formar em medicina e foi pioneiro na pesquisa em Imunologia. 

Patronos das Escolas Municipais

texto
Quem foi Francisco Cabrita, engenheiro e professor

Quem foi Francisco Cabrita, engenheiro e professor

23/02/2021

Importante figura no campo da Educação no início da República, ele dá nome a uma escola na Tijuca. 

Patronos das Escolas Municipais

texto
Marc Ferrez, fotógrafo pioneiro na documentação do Brasil

Marc Ferrez, fotógrafo pioneiro na documentação do Brasil

07/12/2020

A obra de Ferrez é considerada um dos principais registros visuais do século XIX e do início do século XX.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Affonso Penna: inovou ao nomear ministros com requisitos técnicos, mas não fugiu ao contexto ao privilegiar os cafeicultores

Affonso Penna: inovou ao nomear ministros com requisitos técnicos, mas não fugiu ao contexto ao privilegiar os cafeicultores

30/11/2020

Aulas on-line da professora de História da E.M. Affonso Penna falam sobre as práticas políticas da Primeira República.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Grande Otelo e o imaginário racial brasileiro no século XX

Grande Otelo e o imaginário racial brasileiro no século XX

19/10/2020

  Conheça a trajetória do ator negro que dá nome a duas unidades de ensino da Rede Municipal.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Maria Montessori: feminista, cientista e educadora

Maria Montessori: feminista, cientista e educadora

31/08/2020

Uma das primeiras mulheres a se formar em Medicina e a exercer a profissão na Europa, ela confrontou governos totalitários e revolucionou a Educação no mundo.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Aracy de Almeida, cantora famosa e mulher emancipada

Aracy de Almeida, cantora famosa e mulher emancipada

19/08/2020

Nascida no subúrbio do Rio, Aracy cantou para as multidões e fez o que quis da vida em plena década de 1930.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Tia Maria do Jongo e a conservação da cultura ancestral

Tia Maria do Jongo e a conservação da cultura ancestral

24/07/2020

Ela ensinava crianças em casa para manter viva a tradição.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Nelson Mandela, símbolo de luta pela igualdade racial e pelos direitos humanos

Nelson Mandela, símbolo de luta pela igualdade racial e pelos direitos humanos

17/07/2020

Primeiro presidente da África do Sul eleito democraticamente, ele dá nome a Ciep no bairro de Campo Grande (9ª CRE).

Patronos das Escolas Municipais

texto
José de Alencar, fundador da literatura brasileira

José de Alencar, fundador da literatura brasileira

30/04/2020

O autor começou a escrever de forma mais próxima ao modo de falar dos brasileiros e não mais com o português usado em Portugal.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Carlos Chagas e a importância das pesquisas científicas no combate às epidemias

Carlos Chagas e a importância das pesquisas científicas no combate às epidemias

22/04/2020

  Durante a pandemia da gripe espanhola, população clamava para ele assumir a gestão da saúde pública. 

Patronos das Escolas Municipais

texto
Clementina de Jesus, samba e ancestralidade

Clementina de Jesus, samba e ancestralidade

07/02/2020

Lançada artisticamente após os 60 anos de idade, sua voz e seu repertório marcaram a cena musical brasileira, exaltando elementos da cultura negra.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Juliano Moreira e a luta contra o racismo nas teorias psiquiátricas

Juliano Moreira e a luta contra o racismo nas teorias psiquiátricas

02/01/2020

Considerado o pai da psiquiatria científica brasileira, Juliano Moreira venceu as dificuldades impostas por ser negro e de classe social baixa no século XIX.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Rachel de Queiroz e a escrita regionalista

Rachel de Queiroz e a escrita regionalista

14/11/2019

Homenageada pelo Espaço de Desenvolvimento Infantil Rachel de Queiroz (1ª CRE), na Praça Onze, a escritora conhecida por O Quinze foi professora de História, tradutora e a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras (ABL).

Patronos das Escolas Municipais

texto
Graciliano Ramos: a subjetividade do sertão

Graciliano Ramos: a subjetividade do sertão

22/10/2019

O livro Vidas Secas, traduzido para 12 línguas, é um clássico da problemática dos retirantes nordestinos.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Santos Dumont, um inventor genial

Santos Dumont, um inventor genial

17/10/2019

A partir dele, a humanidade foi capaz de voar com um aparelho autônomo, mais pesado que o ar, e dirigível.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Agostinho Neto, “poeta maior” e primeiro presidente de Angola

Agostinho Neto, “poeta maior” e primeiro presidente de Angola

17/09/2019

Homenageado em 17 de setembro em Angola, Dia do Herói Nacional, Agostinho Neto engajou-se na luta pela libertação de seu país. Sua poesia é marcada pela resistência e afirmação da identidade africana.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Escola e creche municipais têm nome em homenagem à poetisa Cora Coralina

Escola e creche municipais têm nome em homenagem à poetisa Cora Coralina

20/08/2019

Saiba mais sobre a autora que encantou Carlos Drummond de Andrade.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Baden Powell e seu violão - o som do Brasil é potente

Baden Powell e seu violão - o som do Brasil é potente

01/11/2017

Um dos melhores violonistas de todos os tempos, fez sucesso em países como França, Alemanha e Japão.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Cecília Meireles: a poeta que era mestre na arte de ver o mundo

Cecília Meireles: a poeta que era mestre na arte de ver o mundo

22/06/2015

Educadora, intelectual e autora de preciosidades da literatura nacional, Cecília Meireles alçou a poesia a um novo patamar, por sua maneira toda especial de ver a vida.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Elis Regina, estrela da música popular brasileira

Elis Regina, estrela da música popular brasileira

07/04/2015

O Ciep Elis Regina, da comunidade Nova Holanda, na Maré (4ª CRE), deve seu nome a uma das melhores cantoras do Brasil.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Castro Maya, o mecenato e a consolidação do modernismo

Castro Maya, o mecenato e a consolidação do modernismo

13/01/2015

O empresário que fabricava um dos produtos mais populares do Rio, a gordura de coco Carioca, também foi um dos maiores incentivadores do movimento modernista brasileiro.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Anna Amélia: a poetisa apaixonada por futebol

Anna Amélia: a poetisa apaixonada por futebol

05/01/2015

Ela agitou os salões cariocas, foi musa dos estudantes, lutou pelos direitos das mulheres e se casou com o primeiro goleiro da seleção brasileira de futebol.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Donga, pioneiro do samba e da música popular brasileira

Donga, pioneiro do samba e da música popular brasileira

25/11/2014

Ele não foi apenas o protagonista da primeira gravação de um samba no Brasil, mas, também, personagem importante na história da difusão e orquestração da música do Rio de Janeiro.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Mestre Valentim: um ás das artes do Rio colonial

Mestre Valentim: um ás das artes do Rio colonial

19/11/2014

Além de inúmeras obras de ornamentação feitas para as igrejas, ele projetou a primeira área pública de lazer do Brasil e foi pioneiro na arte da escultura em metais.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Aleijadinho, um mestre do barroco brasileiro

Aleijadinho, um mestre do barroco brasileiro

11/11/2014

A obra do maior artista do período colonial brasileiro é tida como uma das mais importantes matrizes culturais do país.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Francisco Palheta e o cafezinho do Brasil

Francisco Palheta e o cafezinho do Brasil

28/10/2014

Fatos curiosos marcaram a introdução da cultura do café em nosso país, pelas mãos de um desbravador da Amazônia.

Patronos das Escolas Municipais

texto
O advogado da favela

O advogado da favela

07/10/2014

Bento Rubião, que dá nome a um Ciep na Rocinha (2ª CRE), tornou-se conhecido por defender moradores de comunidades removidas e teve suas teses incorporadas à Constituição de 1988 e ao Estatuto da Cidade.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Raul Pederneiras: um precursor da HQ no Brasil

Raul Pederneiras: um precursor da HQ no Brasil

30/09/2014

Suas técnicas de ilustração revolucionaram a imprensa carioca da Belle Époque.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Júlia Lopes de Almeida, a primeira escritora profissional do Brasil

Júlia Lopes de Almeida, a primeira escritora profissional do Brasil

26/08/2014

Patrona de uma escola municipal localizada no bairro de Santa Teresa, ela já foi considerada a maior romancista da geração que sucedeu Machado de Assis.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Portinari, o filho de lavradores que se tornou conhecido mundialmente

Portinari, o filho de lavradores que se tornou conhecido mundialmente

07/07/2014

Candido Portinari pintou intensamente. Cenas de infância, circo, cirandas e também a dor da gente brasileira. A Escola Municipal Candido Portinari, da 11ª CRE, em Pitangueiras, deve seu nome ao grande pintor.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Tiradentes: uma breve história do herói nacional

Tiradentes: uma breve história do herói nacional

16/04/2014

Mártir da Inconfidência Mineira, Joaquim José da Silva Xavier é inspiração para estudos acadêmicos, tendo sua trajetória gerado obras literárias, filmes e peças teatrais, além de ser patrono de uma escola municipal localizada no Centro (1ª CRE), a E.M. Tiradentes. 

Patronos das Escolas Municipais

texto
Segue viva a alegria de Lamartine Babo

Segue viva a alegria de Lamartine Babo

01/04/2014

Marchinhas de carnaval, hinos dos clubes de futebol cariocas e clássicos das festas juninas são uma herança sempre presente do compositor entre nós.

Patronos das Escolas Municipais

texto
Centenário de nascimento de Vinicius de Moraes

Centenário de nascimento de Vinicius de Moraes

18/10/2013

Um dos grandes artistas brasileiros do século XX, Vinicius era apaixonado por cinema, música, poesia e, sobretudo, pela vida.

Patronos das Escolas Municipais

texto
João do Rio e a construção simbólica do Rio de Janeiro

João do Rio e a construção simbólica do Rio de Janeiro

23/05/2013

A cidade foi, sem dúvida alguma, o assunto preferido de João do Rio, já que ela exemplificava, como nenhuma outra, a transição do país para a fase de República.

Patronos das Escolas Municipais

texto
João do Rio: o cronista da belle époque carioca

João do Rio: o cronista da belle époque carioca

23/05/2013

Mestre da crônica como registro de época, o jornalista fez uma verdadeira etnografia do Rio de Janeiro nos anos 1910 e 1920: das altas esferas sociais aos grupos mais marginais.

Patronos das Escolas Municipais