07 Junho 2019
0
0
0
s2sdefault
 
Alunos da Creche Djanira (10ª CRE), em Paciênica, fazendo compostagem (Foto: arquivo professor Luciano Tadeu de Mendonça)

Em 5 de junho é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente. A Rede Pública Municipal de Ensino dedica toda a semana em torno da data para enfatizar junto aos estudantes e seus responsáveis a importância do tema para a vida.

“De 3 a 7 de junho, destacamos a importância de trabalharmos a sustentabilidade durante todo o ano. O movimento não deve ser pontual, estanque”, ressalta Luciano Tadeu de Mendonça, biólogo e professor de Ciências na E.M. Charles Dickens (9ª CRE), em Campo Grande.

A escola possui uma horta hidropônica e orgânica com 80m², onde as turmas produzem 500 pés de hortaliças por mês, suprindo completamente o próprio consumo (mil alunos, do 6º ao 9º ano) desse tipo de alimento. No entanto, o objetivo principal do plantio e consumo dos orgânicos é ensinar o valor da sustentabilidade. “Praticamos agricultura sustentável. A nossa horta utiliza mil litros de água por mês porque a reaproveitamos em um circuito ‘vai e volta’. Uma horta comum, de mesmo tamanho, usa 30 vezes mais água para irrigação, ou seja, mil litros por dia. Além disso, não usamos agrotóxico no cultivo e não dependemos de transportar os vegetais por grandes distâncias. As armadilhas para insetos são feitas de garrafas pet e fitas adesivas amarelas”, explica Luciano. Como professor itinerante na 10ª CRE, ele auxilia e acompanha mais 51 hortas de outras unidades.

Estudantes da E.M. Charles Dickens (9ª CRE), em Campo Grande, cultivam uma horta hidropônica (Foto: arquivo professor Luciano Tadeu de Mendonça)

A E.M. Charles Dickens também é pólo para recolhimento de óleo de cozinha usado. Periodicamente, uma empresa recolhe o que foi reunido, e fornece, em troca, materiais de limpeza, como detergente e sabão em pó.

O trabalho com os adolescentes em prol do meio ambiente acontece durante todo o ano letivo, mas tem seu ápice na primeira semana de junho, e recebe, no dia 7, pais e responsáveis para um dia de confraternização em torno do tema. Nessa sexta-feira a escola se abre para uma série de atividades:

1) Palestra com profissional da saúde sobre arboviroses, com enfoque na prevenção;

2) colheita na horta hidropônica com distribuição de hortaliças para os presentes;

3) distribuição de 150 mudas de vegetais comestíveis, como ora-pro-nóbis, hortelã, alecrim etc para a comunidade ao redor da escola, no centro de Campo Grande;

4) oficina de minhocário para produção de adubo orgânico.

5) seções de cinema com temas ambientais no auditório ao longo do dia. Oportunidade de assistir Ilha das Flores e Lixo Extraordinário. O primeiro filme foi dirigido por Jorge Furtado e escolhido, em 2019, pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema, como o melhor curta-metragem brasileiro da história. Já o documentário Lixo Extraordinário, indicado ao Oscar, em 2011, mostra o trabalho de reciclagem do artista plástico Vik Muniz junto aos catadores de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias;

Luciano conta que ao trabalhar o protagonismo dos estudantes na criação e manutenção da horta, a educação ambiental se estende até a família dos adolescentes, pois são os alunos que passam a aconselhar pais e responsáveis sobre as melhores práticas de alimentação, consumo, descarte etc. “Ações ambientais é que são importantes, não discursos vazios”, explica o professor.

Mídias Relacionadas
Relacionados
Mais Recentes