ACESSIBILIDADE
Acessibilidade: Aumentar Fonte
Acessibilidade: Tamanho Padrão de Fonte
Acessibilidade: Diminuir Fonte
Youtube
Facebook
Instagram
Twitter

A grande pianista Guiomar Novaes
SÉRIE
Heróis e Heroínas do Rio
10 Novembro 2015 | Por Sandra Machado
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Whatsapp

guiodiscoNascida em 1894, na cidade de São João da Boa Vista, interior de São Paulo, Guiomar Novaes era a 17ª de uma família com 19 filhos. Anna, sua mãe, foi pianista, compositora e a maior incentivadora do talento da filha. O pai Manoel era major e negociante de café. Ao perceber a compulsão da menina pelo instrumento já aos quatro anos de idade, quando ela nem sequer sabia ler e escrever, contratou seu primeiro professor de piano. Quando Guiomar chegou aos seis, a família se mudou para São Paulo, onde a menina foi encaminhada para o professor italiano Luigi Chiaffarelli, que lhe deu toda uma base técnica e teórica. Em apenas dois anos, ela já estreava profissionalmente nas salas de concerto e chegava às páginas dos jornais como menina prodígio.

Aos 13, recebeu do governo brasileiro uma bolsa de estudos para um curso no Conservatório de Paris. Havia apenas duas vagas para estrangeiros, mas Guiomar encantou de tal maneira a banca examinadora, da qual fazia parte o compositor Debussy, que ficou em primeiro lugar. Após dois anos de estudo, saiu em turnê pela Europa e só retornou ao Brasil em 1914, quando eclodiu a Primeira Guerra Mundial. Com um dom de interpretação genial, especialmente nas peças de Chopin e de Schumann, foi também uma grande divulgadora da obra de Heitor Villa-Lobos fora do Brasil, ao longo de 62 anos de carreira.

Pelos palcos do mundo

guiojovemGuiomar Novaes se apresentou pela primeira vez em Nova York em 1915 e, no ano seguinte, voltou à cidade para uma audição no Madison Square Garden. Seguiu-se a esse concerto outro, realizado no Carnegie Hall com acompanhamento da Orquestra Filarmônica de Nova York. De volta ao Brasil, participou da Semana de Arte Moderna de 1922, tocando no Theatro Municipal de São Paulo, apesar de se pronunciar contra o tom de deboche de algumas performances de outros artistas no evento. No mesmo ano, se casou com o engenheiro e arquiteto Octávio Pinto, que havia sido seu colega de escola e com quem teve dois filhos: Anna Maria e Luís Octávio.

Na década de 1960, duas homenagens marcaram a importância da pianista no cenário internacional da música erudita. Ela foi convidada para representar a América Latina na comemoração pelo 15º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1963, promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York. E, em 1967, Guiomar foi escolhida pela rainha Elizabeth II para inaugurar o Queen Elizabeth Hall, em Londres. Recebeu inúmeros prêmios e condecorações, como a Ordem Nacional da Legião de Honra – mais importante comenda concedida pelo governo da França – em 1939.

A virtuose do piano também foi objeto de interesse de outros artistas. Durante a infância, Guiomar Novaes era vizinha de Monteiro Lobato, e foi gcomfilhainspirado nela que o escritor criou a personagem Narizinho. Para contar a história de sua carreira e como ela elevou o nome do Brasil no exterior, em 2003 a atriz Norma Bengell dirigiu o documentário Infinitamente Guiomar Novaes. Existe, ainda, uma biografia da artista, intitulada Guiomar Novaes do Brasil — A Trajetória da Pianista em Nova York, obra de Luciana Medeiros e João Luiz Sampaio. Para a felicidade das futuras gerações, a pianista deixou uma extensa discografia gravada, que dá continuidade a um de seus maiores desejos: servir de inspiração a novos talentos no país.

Fontes:

Site UOL Educação, Facebook Viva a Música, site Mulheres de São João.

 
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Whatsapp
MAIS DA SÉRIE
texto
O talento e a perseverança de José Maurício venceram o preconceito

O talento e a perseverança de José Maurício venceram o preconceito

24/11/2017

José Maurício Nunes Garcia foi um dos melhores compositores brasileiros de música sacra.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Heitor Villa-Lobos, mestre da composição e da educação

Heitor Villa-Lobos, mestre da composição e da educação

03/03/2017

Compositor, maestro e instrumentista carioca de renome internacional, Villa-Lobos uniu a música popular à erudita.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Zuzu Angel, mãe da moda brasileira

Zuzu Angel, mãe da moda brasileira

19/01/2017

Pioneira na criação de uma moda genuinamente nacional, a estilista deu contornos políticos ao seu trabalho a partir da morte do filho.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Noel Rosa e uma história que deu samba

Noel Rosa e uma história que deu samba

04/01/2017

Jovem de Vila Isabel uniu os sambas do morro e do asfalto por meio de composições que retratavam o cotidiano com humor e crítica social.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Machado de Assis, mestre da literatura brasileira

Machado de Assis, mestre da literatura brasileira

26/10/2016

O autor inaugurou o movimento artístico chamado realismo e já foi traduzido para 16 línguas.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Carmen Miranda, a pequena notável

Carmen Miranda, a pequena notável

02/09/2016

Apesar de ter nascido em Portugal, Carmen Miranda é considerada a primeira artista multimídia do Brasil.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Pedro Ernesto: poder público nas zonas Norte e Oeste do Rio

Pedro Ernesto: poder público nas zonas Norte e Oeste do Rio

26/08/2016

Administrou o município do Rio de Janeiro na década de 1930, iniciando a construção de oito hospitais e 28 escolas públicas.   

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Estácio de Sá: o corajoso português que fundou o Rio

Estácio de Sá: o corajoso português que fundou o Rio

01/03/2016

Persistente, ele lutou contra franceses e indígenas para dominar a Baía de Guanabara e povoar o local onde hoje é a cidade do Rio.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Pereira Passos, o prefeito da reforma

Pereira Passos, o prefeito da reforma

24/02/2016

O engenheiro Pereira Passos foi o maior responsável pela reformulação que, no início do século XX, deu ao centro do Rio seu ar de metrópole.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Um santo soldado em defesa do Rio

Um santo soldado em defesa do Rio

19/01/2016

O italiano Sebastião e sua trajetória até tornar-se o padroeiro da nossa cidade. 

Heróis e Heroínas do Rio

texto
A alma nobre do abolicionista José do Patrocínio

A alma nobre do abolicionista José do Patrocínio

18/11/2015

Articulador fundamental para o fim da escravidão no país, ele abraçou também a causa dos retirantes nordestinos e até a defesa dos animais.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Debret, o primeiro cronista da vida carioca

Debret, o primeiro cronista da vida carioca

23/10/2015

De 1816 a 1831, o artista registrou não apenas momentos importantes da fase de formação do Brasil Império, mas também o movimento das ruas.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
André Rebouças, engenheiro e educador

André Rebouças, engenheiro e educador

21/09/2015

Engenheiro de prestígio, o que contribuiu para que desse nome a um importante túnel da cidade, Rebouças foi um intelectual preocupado com a inclusão social do negro no Brasil.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Cartola: samba e poesia em verde e rosa

Cartola: samba e poesia em verde e rosa

03/09/2015

Representante autêntico do samba e um dos fundadores da Estação Primeira de Mangueira, músico leva requinte a composições que atravessam décadas.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Lota, a mulher que fez do aterro um jardim

Lota, a mulher que fez do aterro um jardim

30/07/2015

Maria Carlota Costallat de Macedo Soares, ou simplesmente Lota, foi responsável por evitar a construção de quatro avenidas com prédios à beira-mar, em prol da realização do atual Parque do Flamengo.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Oswaldo Cruz, uma vida dedicada à saúde pública

Oswaldo Cruz, uma vida dedicada à saúde pública

14/07/2015

Médico, cientista e sanitarista, foi responsável pelo combate de doenças infecciosas que matavam milhares de brasileiros.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Pixinguinha, um dos maiores no olimpo da MPB

Pixinguinha, um dos maiores no olimpo da MPB

02/07/2015

Com uma carreira que começou ainda na infância, o maestro foi responsável por incorporar elementos tipicamente brasileiros às técnicas de orquestração e de arranjo de então.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Anchieta e os primórdios da educação no Brasil

Anchieta e os primórdios da educação no Brasil

26/05/2015

O jesuíta é tido não só como pioneiro da área de ensino, mas também da arte brasileira.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
O fotógrafo da modernização do Rio de Janeiro

O fotógrafo da modernização do Rio de Janeiro

19/05/2015

Estimativas apontam que Augusto Malta produziu de 30 a 60 mil registros, ao longo das mais de três décadas em que trabalhou para a prefeitura da cidade.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
A primeira mulher caricaturista do Brasil

A primeira mulher caricaturista do Brasil

27/04/2015

Com o pseudônimo de Rian, Nair de Teffé publicou em jornais brasileiros e estrangeiros. Artista multitalento, foi ainda feminista e esposa do presidente Hermes da Fonseca.

Heróis e Heroínas do Rio

texto
Heitor dos Prazeres: um artista do samba e das tintas

Heitor dos Prazeres: um artista do samba e das tintas

08/04/2014

Compositor, ele participou do nascimento das escolas de samba do Rio de Janeiro. Como pintor, teve o talento reconhecido até pela rainha da Inglaterra.

Heróis e Heroínas do Rio